Bem Vindos Ao Meu Estranho Mundo

Resumo de tudo o que anda rolando em minha passagem aqui neste mundo, meio louco, meio confuso, assim como eu ...

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Pulsos


E um dia se atreveu

a olhar pro alto

Tinha um céu

mas não era azul
No cansaço de tentar,

quis desistir

Se é coragem eu não sei
Tenta achar que não é assim tão mal

Exercita a paciência

Guarda os pulsos pro final

Saída de emergência
E um dia desistiu,

quis terminar

Só mais um gole,

duas linhas horizontais
Sem a menor pressa,

calculadamente

Depois do erro,

a redenção
Tenta achar que não é assim tão mal

Exercita a paciência

Guarda os pulsos pro final

Saída de emergência
Tenta achar que não é assim tão mal

Exercita a paciência

Guarda os pulsos pro final

Saída de emergência.

Na Sua Estante



Te vejo errando e isso não é pecado,

Exceto quando faz outra pessoa sangrar

Te vejo sonhando e isso dá medo

Perdido num mundo que não dá pra entrar

Você está saindo da minha vida

E parece que vai demorar

Se não souber voltar ao menos mande notícias

Cê acha que eu sou louca

Mas tudo vai se encaixar
Tô aproveitando cada segundo

Antes que isso aqui vire uma tragédia
E não adianta nem me procurar

Em outros timbres, outros risos

Eu estava aqui o tempo todo

Só você não viu
E não adianta nem me procurar

Em outros timbres, outros risos

Eu estava aqui o tempo todo

Só você não viu
Você tá sempre indo e vindo,

tudo bem

Dessa vez eu já vesti minha armadura

E mesmo que nada funcione

Eu estarei de pé,

de queixo erguido

Depois você me vê vermelha e acha graça

Mas eu não ficaria bem na sua estante
Tô aproveitando cada segundo

Antes que isso aqui vire uma tragédia
E não adianta nem me procurar

Em outros timbres e outros risos

Eu estava aqui o tempo todoSó você não viu
E não adianta nem me procurar

Em outros timbres, outros risos

Eu estava aqui o tempo todo

Só você não viu
Só por hoje não quero mais te ver

Só por hoje não vou tomar minha dose de você

Cansei de chorar feridas que não se fecham,

não securam

E essa abstinência

uma hora vai passar...




E a semelhança?


Meu marido, antes de me conhecer ao vivo e a cores, disse que eu parecia muito com Re Bordosa. Confesso que ja fui sim,(psicologicamente falando, é claro),mas hoje em dia, não mais...
Mas aí vai um pouco desta louca criatura... que eu adoro!

Rê Bordosa é uma personagem de Angeli, assassinada pelo próprio, em 87. Nascida em 1984, tinha cerca de 30 anos e todos os problemas existenciais da mulher urbana da época, um pouco mais insana. Drogas, sexo livre, muito cigarro e álcool, além de noites mal-dormidas eram as brincadeiras prediletas da Rê Bordosa. Mas ela não morreu de overdose ou qualquer coisa parecida. Angeli resolveu dar um sumiço nela pra não virar um autor de um personagem só. E conseguiu…depois da morte da Rê Bordosa, Angeli conseguiu emplacar muitos outros personagens de igual fama e popularidade: Bob Cuspe, os Skrotinhos, Los Três Amigos…