Bem Vindos Ao Meu Estranho Mundo

Resumo de tudo o que anda rolando em minha passagem aqui neste mundo, meio louco, meio confuso, assim como eu ...

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Kings Of The Carnival Creation - Dimmu Borgir



Incarnated marvels simplified

Effects from such a disconsolate kind

Impotence of the once so perfect living

Erase and rewind
Stand rigid for the next battle

Peace means reloading your guns

The love for life is all hatred in disguise

A carnival creation with masks undone
In search for the guidelines

to the gateways of sinthrough mires

of misanthropy with wrath in mind

Sophistication as cruelty and perfection

as virulent truth

Confidently dawned,

to pick the best of enemies

An abyss womb stretched wide open,

exposed to retaliate
With the stigma feasting upon your flesh

I wish you well

Thorns from the fountains of fate licking lepered skin

Worshipped by anyone's mass on our planet hell

What on earth possessed you
Consuming illusions made from hysteria and swallowed tongues

Devoured by doubt,

conducting arts of misconception

Testimonial sufficiency declaring numbness of all perceptions
Glance into the blackness

hidden beneath your surface

And enjoy the suffering,

sanity drained in disrespect

With such bedevilled faith in good,

subsequently trusting evil

Next step for mankind

will be the last seasons in sin
Left are the kings of the carnival creation

Carrying out the echoes of the fallen
Sense the withering eternity

as it fades away

The ultimate graceless voyage of all times

Only death will be guarding your angels, silently

Cripples joining arms in clamour

Institutionalized for the rebirth,

the herd will be hunted

Puritania - Dimmu Borgir


Chains of despair

Cloaked by darkness

The thundering echoes of great destruction to come

Mankind's mysteries

The dying world

Madness in it's sweetest form

What shrivels and dies must face the tempest

The angelic heaven bows to the ultimate truth

And melancholy grew

Anticipation mender through madness

Condemned to the same horrid fate

Insanity applauds

How sharp the awakening

Pale as diseaseMocking…

Maddening…

Give up the ghost

Cease the gloomy awakening

History foretold

The hidden stigmata

Totally annihilating the ecstasies innumerable

Materialize the vision

Give up the ghost

Cease the gloomy awakening

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Temporal


Chega simples como um temporal
Parecia que ia durar
Tantas placas e tantos sinais
Já não sei por onde caminhar.

E quando olhei no espelho
Eu vi meu rosto e já não reconheci
E então vi minha história
Tão clara em cada marca que tava ali.

Se o tempo hoje vai depressa
Não tá em minhas mãos
Cada minuto me interessa
Me resolvendo ou não.

Quero uma fermata que possa fazer
Agora o tempo me obedecer
E só então eu deixo
Os medos e as armas

Chega simples como um temporal (os medos e as armas)
Parecia que ia durar (os medos e as armas)
Tantas placas e tantos sinais
Já não sei por onde caminhar

E quando olhei no espelho
Eu vi meu rosto e já não reconheci
E então vi minha história
Tão clara em cada marca que tava ali.

Se o tempo hoje vai depressa
Não tá em minhas mãos
Cada minuto me interessa
Me resolvendo ou não.

Quero uma fermata que possa fazer
Agora o tempo me obedecer
E só então eu deixo
Os medos e as armas
Eu deixo eu medos e as armas
Eu deixo os medos e as armas pra trás
E as armas pra trás
E as armas pra trás...

Deus Lhe Pague


Por esse pão pra comer, por esse chão pra dormir
A certidão pra nascer, e a concessão pra sorrir
Por me deixar respirar, por me deixar existir
Deus lhe pague

Pelo prazer de chorar e pelo "estamos aí"
Pela piada no bar e o futebol pra aplaudir
Um crime pra comentar e um samba pra distrair
Deus lhe pague

Por essa praia, essa saia, pelas mulheres daqui
O amor malfeito depressa, fazer a barba e partir
Pelo domingo que é lindo, novela, missa e gibi
Deus lhe pague

Pela cachaça de graça que a gente tem que engolir
Pela fumaça, desgraça, que a gente tem que tossir
Pelos andaimes, pingentes, que a gente tem que cair
Por mais um dia, agonia, pra suportar e assistir
Pelo rangido dos dentes, pela cidade a zunir
E pelo grito demente que nos ajuda a fugir
Pela mulher carpideira pra nos louvar e cuspir
E pelas moscas-bicheiras a nos beijar e cobrir
E pela paz derradeira que enfim vai nos redimir
Deus lhe pague.

De Você


Esse vidro fechado
E a grade no portão
Suposta segurança
Mas não são proteção

E quando o caos chegar
Nenhum muro vai te guardar
De você, de você, de você

Protótico imperfeito
Tão cheio de rancor
É fácil dar defeito
É só lhe dar poder

E quando o caos chegar
Nenhum muro vai te guardar
De você, de você, de você, de você, de você, de você, de você

Se tornam prisioneiros
Das posses ao redor
Olhando por entre as grades
O que a vida podia ser

Mas quando o caos chegar
Nenhum muro vai te guardar
De você, de você, de você, de você, de você, de você, de você...

E é com a mão aberta
Que se tem cada vez mais
A usura que te move
Só vai te puxar pra trás
E é com a mão aberta
Que se tem cada vez mais
A usura que te move
Vai te puxar pra trás

A Saideira


Ei, não vá ainda embora
Beba mais um copo
É que logo agora vai começar a história

Ei, não vá ainda embora
Beba mais um copo
É que logo agora vai começar a história

Se sente na pele que chegou a hora
Saber a qual é olhando no olho
Pra alguns isso assusta, mas é tão necessário
Pra ter uma noção do que é real
Pra se ter uma noção do que é real

Mas ei, não vá ainda embora
Beba mais um copo
É que logo agora, já começou a história

Ei, não, não vá ainda embora
Beba mais um copo
É que logo agora, já começou a história

Se sente na pele que chegou a hora
Saber a qual é olhando no olho
Pra alguns isso assusta, mas é tão necessário
Pra ter uma noção do que é real
Pra se ter uma noção do que é real

Mais um copo quase quente
Pra pessoas um tanto frias
Mais um copo quase quente
Pra pessoas um tanto frias
Tão frias, tão frias, tão frias...

Malditos Cromossomos


Todas as características
Explícitas ou escondidas
Físicas, psíquicas
Genética ou adquirida
Raiva competitiva
Apatia desmedida
Ângulo fora do esquadro
Objeto fálico

Ah! Malditos cromossomos!

Teoria Darwinista
O fruto, o meio e a iniciativa
Livre-arbítrio ou prisão
Genealogia da exclusão
tanta coisa já contida
E o exemplo ao longo da vida
Espécie de bagagem
Um dia sempre pesa na viagem

Ah! malditos cromossomos!

De onde veio a cor
Ou angústia que mora aqui
No filho eu vejo o pai também
Ninguém pode evitar

Todas as características
Explícitas ou escondidas
Físicas, psíquicas
Genética ou adquirida

Ah! malditos cromossomos!

Deja-Vu


Nenhuma verdade me machuca
Nenhum motivo me corrói
Até se eu ficar só na vontade, já não dói

Nenhuma doutrina me convence
Nenhuma resposta me satisfaz
Nem mesmo o tédio me surpreende mais

Mas eu sinto que eu tô viva a cada banho de chuva que chega molhando meu corpo

Nenhum sofrimento me comove
Nenhum programa me distrai
Eu ouvi promessas e isso não me atrai

E não há razão que me governe
Nenhuma lei prá me guiar
Eu tô exatamente aonde eu queria estar

Mas eu sinto que eu tô viva a cada banho de chuva que chega molhando meu corpo...

A minha alma nem me lembro mais em que esquina se perdeu ou em que mundo se enfiou

Mas já faz algum tempo
Já faz algum tempo
Já faz algum tempo
Já faz algum tempo
Faz algum tempo...

A minha alma nem me lembro mais
Em que esquina se perdeu ou em que mundo se enfiou

Mas eu não tenho pressa
Já não tenho pressa
Eu não tenho pressa
Não tenho pressa

Equalize


Às vezes se eu me distraio
Se eu não me vigio um instante
Me transporto pra perto de você
Já vi que não posso ficar tão solta
Me vem logo aquele cheiro
Que passa de você pra mim
Num fluxo perfeito

Enquanto você conversa e me beija
Ao mesmo tempo eu vejo
As suas cores no seu olho, tão de perto
Me balanço devagar
Como quando você me embala
O ritmo rola fácil
Parece que foi ensaiado

E eu acho que eu gosto mesmo de você
Bem do jeito que você é
Eu vou equalizar você
Numa freqüência que só a gente sabe
Eu te transformei nessa canção
Pra poder te gravar em mim

Adoro essa sua cara de sono
E o timbre da sua voz
Que fica me dizendo coisas tão malucas
E que quase me mata de rir
Quando tenta me convencer
Que eu só fiquei aqui
Porque nós dois somos iguais

Até parece que você já tinha
O meu manual de instruções
Porque você decifra os meus sonhos
Porque você sabe o que eu gosto
E porque quando você me abraça
O mundo gira devagar

E o tempo é só meu
E ninguém registra a cena
De repente vira um filme
Todo em câmera lenta
E eu acho que eu gosto mesmo de você
Bem do jeito que você é

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Amor


Lindo eu te amo, você me faz a mulher mais feliz do mundo...

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Pulsos


E um dia se atreveu

a olhar pro alto

Tinha um céu

mas não era azul
No cansaço de tentar,

quis desistir

Se é coragem eu não sei
Tenta achar que não é assim tão mal

Exercita a paciência

Guarda os pulsos pro final

Saída de emergência
E um dia desistiu,

quis terminar

Só mais um gole,

duas linhas horizontais
Sem a menor pressa,

calculadamente

Depois do erro,

a redenção
Tenta achar que não é assim tão mal

Exercita a paciência

Guarda os pulsos pro final

Saída de emergência
Tenta achar que não é assim tão mal

Exercita a paciência

Guarda os pulsos pro final

Saída de emergência.

Na Sua Estante



Te vejo errando e isso não é pecado,

Exceto quando faz outra pessoa sangrar

Te vejo sonhando e isso dá medo

Perdido num mundo que não dá pra entrar

Você está saindo da minha vida

E parece que vai demorar

Se não souber voltar ao menos mande notícias

Cê acha que eu sou louca

Mas tudo vai se encaixar
Tô aproveitando cada segundo

Antes que isso aqui vire uma tragédia
E não adianta nem me procurar

Em outros timbres, outros risos

Eu estava aqui o tempo todo

Só você não viu
E não adianta nem me procurar

Em outros timbres, outros risos

Eu estava aqui o tempo todo

Só você não viu
Você tá sempre indo e vindo,

tudo bem

Dessa vez eu já vesti minha armadura

E mesmo que nada funcione

Eu estarei de pé,

de queixo erguido

Depois você me vê vermelha e acha graça

Mas eu não ficaria bem na sua estante
Tô aproveitando cada segundo

Antes que isso aqui vire uma tragédia
E não adianta nem me procurar

Em outros timbres e outros risos

Eu estava aqui o tempo todoSó você não viu
E não adianta nem me procurar

Em outros timbres, outros risos

Eu estava aqui o tempo todo

Só você não viu
Só por hoje não quero mais te ver

Só por hoje não vou tomar minha dose de você

Cansei de chorar feridas que não se fecham,

não securam

E essa abstinência

uma hora vai passar...




E a semelhança?


Meu marido, antes de me conhecer ao vivo e a cores, disse que eu parecia muito com Re Bordosa. Confesso que ja fui sim,(psicologicamente falando, é claro),mas hoje em dia, não mais...
Mas aí vai um pouco desta louca criatura... que eu adoro!

Rê Bordosa é uma personagem de Angeli, assassinada pelo próprio, em 87. Nascida em 1984, tinha cerca de 30 anos e todos os problemas existenciais da mulher urbana da época, um pouco mais insana. Drogas, sexo livre, muito cigarro e álcool, além de noites mal-dormidas eram as brincadeiras prediletas da Rê Bordosa. Mas ela não morreu de overdose ou qualquer coisa parecida. Angeli resolveu dar um sumiço nela pra não virar um autor de um personagem só. E conseguiu…depois da morte da Rê Bordosa, Angeli conseguiu emplacar muitos outros personagens de igual fama e popularidade: Bob Cuspe, os Skrotinhos, Los Três Amigos…

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

...


"Quem ama, mata!"

terça-feira, 7 de julho de 2009

Se Eu Morresse Amanhã

Se Eu Morresse Amanhã!
Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!
Quanta glória pressinto em meu futuro!
Que aurora de porvir e que manhã!
Eu perdera chorando essas coroas
Se eu morresse amanhã!
Que sol! que céu azul! que dove n'alva
Acorda a natureza mais loucã!
Não me batera tanto amor no peito
Se eu morresse amanhã!
Mas essa dor da vida que devora
A ânsia de glória, o dolorido afã...
A dor no peito emudecera ao menos
Se eu morresse amanhã!

segunda-feira, 22 de junho de 2009


Meus olhos choram a falta dos teus,

Olhos que um dia foram tão meus...

Cemitérios-Belos e Tristes






























E quantos sonhos na ilusão da vida!

Quanta esperança no futuro ainda!

Tudo calou-se pela noite eterna...

E eu vago errante

e só

Na treva infinda...

"Não te rias de mim,

Meu anjo lindo!

Por ti __ as noites

que velei chorando,

Por ti __ nos sonhos

morrerei sorrindo!

Alvares de Azevedo

"A tristeza é tão inspiradora!"

"A vida é uma comédia para os que pensam e uma tragédia para os que sentem".

Horace Walpole
"A bondade e a maldade existem em todo mundo; quando uma aparece, a outra se esconde".
Hazrat Inayat Khan

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Percebi com muita
tristeza e lágrima
Que meu lugar
Não é ao teu lado
Mas sim
Vagando só
Pela escuridão
Da própria escuridão

infelizmente te amo muito Alexandre.

criado por mim mesma, num péssimo momento

Naquela gélida noite
Sussurrei teu nome
O que ouvi?
Não se surpreenda, meu amo
Ouvi o silêncio
O mesmo silêncio
Daquela gélida noite...

quarta-feira, 17 de junho de 2009


Suposta foto do demônio

FatosNo dia 27 Setembro de 1998, é encontrado um cadáver, muito bem conservado. A primeira vista uma menina vítima de um estupro, recente, com aproximadamente 12 anos de idade. Após uma primeira análise feita pela polícia técnica da cidade, constatou-se que alguns dos objetos pessoais da menina tinham mais de 30 anos. Isto chamou a atenção de uma Universidade Inglesa, que com uma parceria com a polícia local, foi feita uma exumação do corpo.Feita a análise de DNA, seguida de minuciosos exames, foi constatado que o corpo havia sido conservado, inexplicavelmente, por mais de 30 anos. Foram averiguados todos os crimes ocorridos nesta época mas nenhum bateu com a fisiologia da menina em questão. Porém descobriu-se que ocorreu neste período um desaparecimento de uma menina de dentro de um colégio de freiras, próximo ao local onde o corpo havia sido encontrado.
Foi então feita uma pesquisa nos arquivos da escola para tentar explicar o estranho acontecimento. A menina chamava-se Marian Melisa Taylor e seus arquivos indicavam a data de seu nascimento no dia 6 de junho 1950. Seu desaparecimento no dia 24 de junho de 1962 . No meio dos arquivos da menina em questão, foi encontrada uma foto com a data no seu verso. Porem esta foto estava em péssimo estado, e foi necessário um espectrografia digitalizada a fim de recuperar a foto.Para espanto dos que estavam fazendo um trabalho de recuperação nesta foto, a menina apareceu despida, com um vulto inexplicável atrás, como se tivesse puxando-a para dentro de uma sala e ela tentando fugir. Porem na foto original, percebia-se claramente a presença da vestimenta tradicional para uma estudante em um colégio de freiras para a época. Um vestido longo, azul marinho, com a cruz de Cristo no peito. E nenhum sinal de vulto algum.Descobriu-se também que na noite do dia em que a foto foi tirada, a menina desapareceu. Após a foto ter tomado seu formato atual, foram extraviadas inexplicavelmente as outras fotos da menina de dentro dos computadores da universidade e da policia, inclusive a foto original que foi scaneada para que pudessem ser feitos os estudos.Professores e Mestres de computação gráfica que trabalhavam no caso, não souberam explicar como a foto original transformou-se tão drasticamente. Tentou-se em vão retroceder o processo e chegar a foto original.CuriosidadesNa foto original afirmam que a postura da menina era normal de quem esta posando para uma foto, com os pés juntos e o vestido longo deixando apenas as sapatilhas de fora.Algumas pessoas não vêem a imagem da menina, mas vêem a imagem do demônio atrás delaOutras dizem ver a imagem se movimentando, como se tentasse fugir do satanás. (Essas pessoas após verem a foto tiveram algum parente próximo, geralmente uma filha ou irmã, vítima de violência sexual seguida de homicídio ou simples desaparecimento).Vejam estes dados matemáticos A menina foi encontrada 36 anos depois (3+6) = 9 O ano que ela desapareceu foi (1962) = (1+9+6+2) = (1+8) = 9 Numero da Besta (6+6+6) = (1+8) = 9Agora vamos pegar um número de cada, obteremos o 999 A data cujo ela foi encontrada 27/09/1998 (2+7/9/1+9+9+8) = 9/9/9 Sua foto apareceu misteriosamente com a photopolaridade magnética invertida, ao fazer uma rotação de 180° com os números duplamente encontrados acima "999" encontraremos o número 666, o numero da BestaO ano que a menina foi encontrada, 1998 que é igual a 3 vezes o numero da Besta 666A data de nascimento da menina 6 de junho 1950 (6/6/1+9+5+0) ... (6/6/6) ... 666A data que a menina desapareceu foi 24/06/1962 (2+4/6/1+9+6+2) ... (6/6/6) ... 666O numero de letras do nome dela Marian(6) Melisa(6) Taylor(6) ... Reparem o número novamente!O dia em que a menina desapareceu 24 subtraído da data de seu nascimento 6 = 183 x 6 = 18 ou escrevendo 3 x 6 de outro modo 6+6+6.Não seria tudo isso muita coincidência?DadosEsta matéria foi tirada de um site de Satanismo hospedado na Inglaterra, que hoje não existe mais. Dizem que a mulher que o fez, sumiu de circulação da Internet e desde então nunca mais se ouviu falar dela. Alguns afirmam que ela ficou louca e suicidou-se, outros que a menina veio busca-la. Algumas pessoas ligadas fortemente ao espiritismo, não tem duvidas em afirmar que a mulher era a própria menina, vinda em forma de um espírito que utilizou o meio de comunicação mais difundido nos dias de hoje, pois teria feito um pacto com o Satanás para que ninguém mais duvidasse dos poderes de Lúcifer (Nome do Diabo) em troca de que ela pudesse descansar em paz, por isso ela mesma haveria indicado o local do seu cadáver para que pudessem encontrá-la. Quero deixar claro que a Assustador.com.br não tem nada com o satanismo ou o sobrenatural do Diabo, e sim pelos espíritos. Apenas obtém informações semanais de vários arquivos e projetos.
Atenção! se não quiser visualizar a foto, retorne!

Cuidado!!!





Advertências-

Não fixe o olhar na foto;-

Não encare os olhos da menina;-

Se começar a se sentir inquieto "feche" a foto;

Se sentir uma incontrolável vontade de ficar olhando APAGUE a foto de seu micro.


Origem

Indonésia, durante os tumultos.

Um fotógrafo estava fazendo uma cobertura dos tumultos em um dos prédios localizados na vizinhança da "cena do crime", que também é, por coincidência, um dos locais onde eles tiveram um massacre imenso.

Ele estava tirando uma foto de um corredor vazio e isto apareceu quando os negativos foram revelados.


Fatos-

O fotógrafo que tirou a foto resolveu enviá-la para estudos;

- Um fotógrafo ficou louco tentando estudar a foto por muito tempo;

- O jornal FOLHA DE SP tentou imprimir para utilizá-la em uma reportagem, nada saiu além de um corredor com uma figura borrada e irreconhecível;

- Fotógrafos especialistas dizem que é um caso raro de fotespelhotefacto onde, dependendo do foco, torna disforme outras partes da foto-

Parapsicólogos dizem que é um caso (que nem é muito raro) de Foto da Além Vida, onde podemos ver claramente a forma ainda viva de um espectro (fantasmas para nós leigos)


Comentários-

árias pessoas dizem que não vêem nada além de um corredor vazio;

- Outras dizem que vêem várias outras figuras (muitas dessas pessoas morreram);

- Outras juram que viram a figura fazendo um sinal como se desse adeus;

- Outras ainda dizem que a figura os chamam;

"Ninguém sabe ao certo o que é verdade (nem mesmo a procedência exata da foto, sendo que o fotógrafo que a enviou preferiu ficar no anonimato), mas também é fato que após o ocorrido no jornal Folha de SP a foto vem sido difundida e muitas outras pessoas criarão outras estórias sobre ela, porém os parapsicólogos advertem pois acreditam que a energia carregada nesta foto trás juntamente a energia da menina que ainda não desencarnou e isso pode trazer vários fenômenos anamnésicos e materiais às pessoas e aos lugares onde está sendo observada (e isso explica as advertências no inicio da página)."

Eu adoraria ter a sabedoria desta linda ave!

É pra RIR!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Ela é D+








"Viver é a grande magia, mas quando você passa a perceber as magias que ocorrem na sua vida, a vida torna-se literalmente mágica".

Góticos

SOMOS SERES DE SENTIMENTOS ESCUROS,
FANTASMAS NOTURNOS QUE CHORAM,
PELAS TRISTEZAS QUE OS DEVORAM,
NOS PENSAMENTOS OBSCUROS
OSSAS ALMAS MELANCOLICAS,
VAGAM PELA NOITE SOMBRIA,
EM BUSCA DA ALEGRIA ILUSORIA,
PERDIDA NAS SOMBRAS EXOTICAS
VIDA DESTRUIDA POR DESILUSÕES...
POR FAVOR NÃO TENHA MEDO
DE UMA ALMA TRISTE E AMALDIÇOADA
TRAJANDO QUASE SEMPRE LUTO,
SOMOS O ESTRANHO FRUTO,
DO MUNDO FELIZ
Q NÃO EXISTE
...

A Lua...


"A Lua desde o começo dos tempos esteve associada à Grande Mãe Deusa, motivadora da fertilidade, benéfica e mortal, ligada aos mistérios da psique feminina".

Hei


"As pessoas temem o que não compreendem" (Dion Fortune - Sacerdotisa da Lua)

Eu Acredito Em Bruxas...


Rituais Sim!


É Isso Aí...


Meu Amuleto





Se as Bruxas não fossem arteiras não teriam graça,

seriam confundidas com as Fadas.

Marcos Torrigo


O Vampiro tem a maravilhosa característica de ter sido humano.

É um ser especial, um deus, o qual podemos nos tornar.

Paródia de Cristo, Buda, do Avatar, o homem feito deus.


Frater Piarus Para o Vampiro não há céu nem inferno, um paradoxo a caminhar primevo entre os mundos, Morto-vivo.

Outrora homem, agora antideus.

Sua antivida é pautada pela violência, sede de sangue, paixão e terror, o horror que se esconde nas sombras.

Quebrando e destruindo todas as normas, regressando ao atavismo mais profundo.

Um ser habitante do limbo, um limbo glorioso, isso é o vampiro.

Sua ocorrência geográfica a tudo engloba, dos Bálcãs ao Egito, dele aos confins das florestas equatoriais da Amazônia e, é claro, até as distantes galáxias.

Civilizações, como Sumerianos, Babilônicos, Indianos e os povos Hebreus, Maias e Astecas conviveram com o fenômeno do Vampirismo.

Seus ataques foram registrados à luz do dia, e à luz da Era das Luzes, dividindo o palco com Diderot e Voltaire em plena era do Iluminismo.

Deixando o racionalismo de cabelo em pé, o epicentro dos ataques não foi algum confim distante, mas o esclarecido Império Austro-Húngaro, justamente a Áustria que seria a pátria de Sigmund Freud.

Desde Arquétipo desconcertante, deste tabu é que trataremos neste livro, pois o vampiro está ali no espelho, repousando, destruindo e salvando, afinal além de matar sua vítima ele confere a vida eterna.


Eu e Minha Paixão Por Vampiros



Eles são completamente sedutores por natureza...

As Várias Faces de Mim Mesma...